JOSÉ DA TRINDADE

FADO DO FUNCHAL

1959
PARLOPHONE
Vinil 7"
PT
LMEP1047

Stock: Indisponível

FADO DO FUNCHAL

Coloque o cursor sobre a imagem para fazer zoom

outras imagens do produto

Detalhes

VINIL - SLEEVE (EX / EX). Edição original portuguesa da Parlophone Company Records. Registo muito, muito raro, usado e em excelente estado.

 

Um artista madeirense, contemporâneo de outros fadistas insulares de sucesso como foram Edmundo Bettencourt, Fernando Madeira e Max, José da Trindade tem no entanto um passado bem mais anónimo. Sabemos que grande parte da sua carreira foi feita (também) em Angola antes da independência (com incidência nas cidades de Benguela e Lobito), e, posteriormente (após o 25 de Abril de 1974) junto das comunidades portuguesas na América do Norte, concretamente em Newark e New Bedford. Foram nestas últimas cidades que conviveu por diversas ocasiões com outros fadistas nas suas digressões por terras americanas, casos de Fernando Farinha, Natércia da Conceição, Fernanda Maria e Alice Maria.
Começou por ser um dos artistas de serviço nas mais conhecidas estações de rádio madeirenses à época, casos do “Posto Emissor do Funchal” e “Estação da Rádio Madeira”. Devido às muitas solicitações, grande parte do seu reportório foi gravado em bobines, que incluia os êxitos “Carta da India”, “Com a Saudade Não se Brinca”, "Mulher Honesta" e “Fado Rambóia”, mas nunca gravados em vinil. Os únicos oito fados registados em disco foram em 2 EP’s comercializados pela Valentim de Carvalho, do qual o “Fado do Funchal” foi o primeiro.
Como fadista José da Trindade fez também um percurso pelas mais conhecidas Casas de Fado da Madeira, entre as quais a “Marcelino Pão e Vinho”, "Romana" e “Taberna Real”.
Nas décadas de 70 e 80, o seu nome também aparece associado à musica ligeira e a trios (Trio Funchal e Trio Atlântico), mas que, infelizmente, pouco reza a história.

 

Texto de: Francisco J. Fonseca
Colaboração de: António A. Santos

 

A1. Vamos ao Brinco
A2. Fado do Funchal
B1. Minha Madeira
B2. Amar Demais